Idas e Vinhas Wine Club

domingo, 5 de abril de 2015

Volta à França em 40 vinhos… Vale do Loire

Idas e Vinhas

A bela região do Vale do Loire inaugurou nossa série de provas de vinhos franceses. Ao todo serão 40 rótulos que escolhemos do portfólio da importadora Everest e sobre os quais escreveremos aqui no blog. Os melhores farão parte do nosso clube de vinhos.


 Idas e Vinhas

Do Vale do Loire, região famosa por seus brancos refrescantes e minerais, escolhemos dois vinhos: um da AOC Muscadet Sèvre-et-Maine e outro da AOC Savenniéres.

A região
O Vale do Loire vai muito além dos castelos e paisagens que lhe dão o nome de “Jardim da França”. A região é líder nacional na produção de vinhos brancos (52% da produção local é de brancos) e ocupa o 3º lugar na produção total, com cerca de 4 milhões de hectolitros/ano. 
Idas e Vinhas



Seus vinhedos se espalham ao longo do rio Loire, na mais longa rota do vinho da França. São mais de 800 km e uma grande diversidade de solos e climas que se refletem na vasta gama de brancos, espumantes, rosés e tintos com características singulares em cada terroir.

A área de cultivo abrange a região de produção do Muscadet (próxima à cidade de Nantes, na costa do Atlântico) e alcança até a região de Sancerre, no centro-norte francês. Muitos autores (entre eles Jancis Robinson) dividem o Vale do Loire em quatro macro-regiões, da costa em direção ao centro:

1. Pays Nantais (que inclui Muscadet);
2. Anjou-Saumur (ou Loire Central, que inclui Savenniéres);
3. Touraine e
4. Alto Loire 
Idas e Vinhas


No intrincado sistema francês, uma região extensa como o Loire é subdividida em grande número de AOC (Appelations d’Origine Contrôlées). O site oficial dos vinhos do Loire citam 69 AOC, sendo 49 delas na área que abrange Anjou-Saumur e Touraine.

A importância de se entender o sistema de Appelations deve-se ao fato de que raramente o nome das castas utilizadas são informadas nos rótulos dos vinhos franceses. É útil saber que uma AOC particular determina certos tipos de uvas que podem ser utilizadas na produção local.

Por exemplo, ao se deparar com um vinho branco do Vale do Loire, ele será feito da casta Chenin Blanc se for proveniente da região mais próxima do Atlântico. Mas, à medida que se sobe o rio Loire em direção à Sancerre, aumenta-se o emprego da Sauvignon Blanc. A AOC Muscadet, por outro lado, significa que o vinho é feito com a Melon de Bourgogne, e por aí vai...

Tratando-se de tintos, os vinhos do Loire são usualmente feitos a partir da Cabernet Franc, mas à medida que se avança na direção da Borgonha, Pinot Noir e Gamay aparecem mais significativamente.

O caráter dos vinhos
Os vinhos que dão reconhecimento internacional ao Vale do Loire são os brancos de Sancerre e Pouilly-Fumé, e relativamente poucos mercados conhecem mais profundamente as demais regiões.

Se produzir vinhos de alta qualidade com regularidade é tarefa árdua, no Loire torna-se ainda mais desafiadora. A região fica no limite do que é considerada uma vitivinicultura comercialmente viável, uma vez que o clima da região (onde verões longos e quentes são raros) nem sempre permite a maturação ideal das uvas. Essa característica confere aos vinhos relativa alta acidez, o que favorece a produção de vinhos brancos e espumantes.

Os tintos, por outro lado, não correspondem à expectativa usual (cultuada nos mercados ocidentais) por vinhos encorpados, alcoólicos, tânicos e envelhecidos em carvalho. O grau de maturação das uvas não permite o desenvolvimento da estrutura necessária ao mosto fermentado para que ele se beneficie de longos períodos em carvalho. Em geral são vinhos delicados que são engarrafados o mais cedo possível, preservando o frescor e o caráter frutado.

As macro-regiões
1.    Pays Nantais
A região de Pays Nantais é a casa do Muscadet, um dos vinhos que promoveram a fama do Loire quanto a seus brancos vivos e minerais.

Muscadet não é o nome de uma região ou de uma casta, mas sim o nome do vinho produzido nessa região que é a mais próxima da costa do Atlântico. Das quatro appelations que o produzem a mais renomada é a AOC Muscadet Sèvre-et-Maine (de onde escolhemos um dos vinhos da volta à França), onde os vinhedos da casta Melon de Bourgogne são mais maduros e, por isso, com melhor potencial para vinhos mais aromáticos. Mas mesmo assim, são vinhos para serem bebidos jovens. Ainda nessa região ficam as appelations de Coteaux d’Ancenis e Fiefs Viendéens.

Idas e Vinhas

2.    Anjou-Saumur
A appelation de Anjour (ao redor da cidade de Angers) vai bem mais além que a produção do rosé barato que responde por quase metade do vinho produzido na região. A produção de brancos secos a partir da Chenin Blanc evoluiu muito e tornou-se consistentemente de boa qualidade, a partir do bom manejo e uso moderado do carvalho.

Os tintos são leves e frescos, e em sua melhor forma originam o Anjou-Villages e Anjou –Villages-Brissac. Caberbet Franc, Gamay e Cabernet Sauvignon são as castas mais comuns.

Savenniéres (appelation de onde vem outro rótulo da nossa volta à França) é uma minúscula, porém mundialmente famosa região produtora de Chenin Blanc secos. Os vinhos são bastante minerais, e embora possam ser apreciados jovens, amadurecem extremamente bem, ganhando estrutura e complexidade.

Em seguida vem a região de Saumur, na cidade de mesmo nome, mais conhecida por seus bem feitos espumantes de Chenin Blanc, de bolhas muito pequenas e persistentes. Os tintos vão desde os leves e frutados até os mais encorpados e fragrantes Saumur-Champigny feitos com predominância da Cabernet Franc.

Idas e Vinhas

3.    Touraine
Touraine abrange as appelations de onde vêm os mais famosos tintos do Loire: Chinon, Bourgueil e St-Nicolas de Bourgueil. Empregando como base a Cabernet Franc, seus vinhos são vivos e bastante frutados. Prontos para consumo quando jovens, em anos de verões mais quentes ganham em estrutura, complexidade e longevidade.

A variedade de vinhos produzidos é bastante grande, já que Touraine é uma appelation vasta e que produz cerca de 40 milhões de garrafas/ano. Os vinhos mais comuns são rotulados AOC Touraine ou com sufixos de subregiões como AOC Touraine-Amboise, AOC Touraine Azay-le-Rideau, etc. Gamay, Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon, Pinot Noir, Malbec, Chenin Blanc, Sauvignon Blanc, entre outras, são as castas permitidas.

4.    Alto Loire
Sancerre e Pouilly-Fumé são os expoentes mundialmente famosos da região. As duas appelations são separadas apenas pelo rio Loire. Ambos são feitos exclusivamente a partir da cepa branca Sauvignon Blanc e são secos, muito vivos e com aromas herbáceos e minerais. A cepa Chasselas é empregada para os vinhos da AOC Pouilly-sur-Loire, também nome da cidade que abriga o Pouilly-Fumé.

A região também inclui os chamados vinhedos do Centro, mais no interior da curva do Loire: Quincy, Reully e Menetou-Salon. Enquanto Quincy produz exclusivamente brancos (que podem ser bastante verdes e ácidos), Reully e Menetou-Salon produzem tintos leves a base de Pinot Noir.

Sites pesquisados para este post:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...